Indústria cresce impulsionada pelos bens de consumo | ACIRP


22/12/2019

Indústria cresce impulsionada pelos bens de consumo

No comparativo anual, três das quatro categorias de uso apresentaram elevação, destacando-se as de veículos, eletroeletrônicos e alimentos. O segmento de bens de capital foi o único que mostrou queda na mesma base de comparação


     Por Ulisses Ruiz de Gamboa

   Economista da ACSP e professor da FIA/USP e FIPE/USP; Doutor em Economia pela FEA/USP; Pós-Doutorando pela UCLA; ex-Consultor do Banco Mundial


A atividade industrial cresceu 1,0%, em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (ver tabela abaixo). No acumulado dos últimos 12 meses, continuou havendo contração, porém cada vez menos intensa (-1,3%).

No comparativo anual, três das quatro categorias de uso apresentaram elevação, destacando-se a produção de bens de consumo duráveis e não duráveis, principalmente veículos, eletroeletrônicos e alimentos. O segmento de bens de capital (máquinas e equipamentos) estreitamente vinculado ao investimento produtivo, foi o único que mostrou queda na mesma base de comparação.

Esses resultados se explicam, por um lado, pela existência de um dia útil a mais no presente ano, e, por outro, pelos efeitos positivos da redução dos juros e do aumento do emprego e da renda, incrementada pela liberação do FGTS, sobre a demanda interna por artigos industriais. Esta, em todo caso, ainda não possui a tração suficiente para estimular novos empreendimentos, o que, conjuntamente com a crise argentina e a desaceleração da economia mundial, explica a contração da produção de máquinas e equipamentos.

Em síntese, a evolução da indústria em outubro parece indicar que a retomada está em marcha, ainda que de forma lenta. Novas reduções da taxa de juros básica (SELIC) e a taxa de câmbio em patamar mais elevado deverão contribuir para melhorar progressivamente o desempenho do setor.

FONTE: Diário do Comércio