Novo Cadastro Positivo pode injetar R$ 353 bilhões na economia de São Paulo | ACIRP


26/06/2019

Novo Cadastro Positivo pode injetar R$ 353 bilhões na economia de São Paulo

Medida deve incluir cerca de 5 milhões de consumidores do estado no mercado de crédito

O novo modelo de Cadastro Positivo, que entra em vigor a partir do próximo dia 9 de julho, poderá injetar R$ 353 bilhões na economia paulista e possibilitar acesso ao crédito para um contingente adicional de cerca de 5 milhões de consumidores, o que representa mais de 10% da população total. Os números fazem parte de desdobramento, por estado, de estudo realizado pelo setor, a pedido da ANBC (Associação Nacional dos Bureaus de Crédito), que também concluiu que, no Brasil, o novo CP tem potencial de inserir até 22 milhões de consumidores no mercado de crédito, além de mais de R$ 1,1 trilhão na economia nacional.

De acordo com a pesquisa ampliada, o estado de São Paulo, com 42,4% de inadimplentes, apresenta um índice maior que a média brasileira, que é de 40,3%. E a exemplo do que deve ocorrer no resto do país, o novo Cadastro Positivo tende a promover uma redução de até 45% na inadimplência no estado.

Isso tende a ocorrer porque o novo CP vai promover a inclusão automática de todos os consumidores, formar um histórico de pagamento de cada cidadão, seja de crédito recebido ou de serviços continuados (água, energia elétrica, gás e telefonia), e estabelecer uma nota de crédito com base neste histórico. Ou seja, o modelo valoriza os pagamentos realizados, os dados positivos - e não somente eventuais dívidas não pagas ou em atraso. 


Números comparativos: 

% DE  INADIMPLÊNCIA | POPULAÇÃO BENEFICIADA | INJEÇÃO NA ECONOMIA 


Sudeste: 41,8% | 9,054 milhões | R$ 577 bilhões  

São Paulo: 42,4% | 4,953 milhões | R$ 353 bilhões

Brasil: 40,3% | 22,107 milhões | R$ 1,140 trilhões


“A adição de mais pessoas ao mercado de crédito, a ampliação do crédito para quem já está no mercado e a confiabilidade da nota de crédito como base para a concessão de crédito têm potencial de baixar os juros dos empréstimos e financiamentos”, observa Elias Sfeir, presidente da ANBC.  Ele acrescenta que os principais benefícios são sociais porque haverá uma redução da inadimplência pela prática de taxas de juros mais justas e porque o estímulo ao mercado de crédito é fundamental para estimular as economias locais e gerar empregos.

Outro ponto a se destacar em relação ao novo CP é a melhoria de crédito para as classes C, D e E. Segundo Sfeir, o cadastro positivo aumenta a nota de crédito para cerca de 60% desta população.